A história do seu dia através de fotografias documentais

Olá!!

Todos nos chamam de fotógrafos de casamento, mas gostamos de pensar que não o somos. Somos contadores de histórias, só que em vez de as escrevermos numa folha de papel ou num teclado de um computador, escrevemo-las nos sensores das nossas máquinas.

Contamos histórias dos casamentos de pessoas que nos são queridas, que ficam nossas amigas. E isso faz-nos ter a certeza que temos a melhor profissão que poderíamos ter...

Temos o nosso atelier na Oliva Creative Factory em São João da Madeira, Aveiro, mas documentamos casamentos por todo o território nacional e internacional.

É isso que gostamos de fazer. Documentar os dias cheios de sentimentos, amor, lágrimas, sorrisos, gargalhadas… tudo!

 

Não fotografamos para nós nem para os nossos noivos. Fotografamos para os futuros filhos deles!

 

p.s. espreitem os nossos últimos trabalhos

 


About

Falar sobre nós é sempre algo bastante complicado… mas cá vai!!

Chamo-me Arlindo e sou fotógrafo de casamento. Nasci em São Paulo, Brasil, mas vim para Portugal com apenas três anos, o que me faz ser inteiramente Tuga!

Com sete anos recebi a minha primeira câmera fotográfica, câmera essa que ainda possuo e que curiosamente nunca tirei uma única foto com ela. Na altura servia para brincar como fotojornalista, algo que gostaria de ser, mas longe de sonhar que em parte, seria o meu futuro.

Iniciei-me nos casamentos ainda com a minha velhinha Nikon F65. Como nunca fui capaz de me desfazer dos meus equipamentos, também a tenho, guardada no saco e nas minhas recordações.

2014 foi um ano de viragem. Como fotógrafo da Minimal Photo iniciei uma aposta na formação com o intuito de elevar a fasquia da qualidade. A formação aliada a uma família fantástica e que sempre me apoiou fez com que conseguisse alguns prémios internacionais dos quais me orgulho, não pelos prémios em si, mas por fazer-me ter a noção que temos sempre de procurar aprender mais.

Claro está que não poderia estar aqui a falar de mim sem falar novamente na minha família. Há aquelas pessoas que têm a sorte de terem sobrevivido à queda de um vaso do terceiro andar que caiu a poucos centímetros de distância, há aquelas pessoas que têm a sorte de acertar nos números do Euromilhões e eu tenho a sorte de ter a família que tenho. Uma esposa que me vai apoiando nas loucuras e que por vezes ainda é mais louca do que eu e um filhote de quem me ORGULHO, que também me faz estar sempre a tentar melhorar e que me faz perceber que realmente o que fica dos anos que passam, são as lembranças que se tornam mais fortes pelas fotografias que temos.

Depois tenho as outras pessoas especiais para mim: os meus noivos. Nestas quase duas dezenas de anos já não sei quantos foram. Sei que a partir do momento que me apercebi que a fotografia de casamento não eram aquelas fotos posadas que todos os noivos faziam quase por obrigação, e que, pelo contrário, comecei a documentar os casamentos, a gravar na história de cada casal os momentos, os olhares, os toques, as alegrias de cada um e da sua forma, ganhei amigos. Sim, também tenho a sorte de não ser apenas o fotógrafo do casamento, mas também um amigo.

E há uma frase que pauta o trabalho da Minimal Photo: “Não fotografamos para nós nem para os nossos noivos. Fotografamos para os futuros filhos deles!”